O primo Basílio, Eça de Queirós

Lido em e-book, Obras completas de Eça de Queirós que você pode comprar aqui.

  • Formato: e-Book Kindle
  • Tamanho do arquivo: 14731 KB
  • Editora: Centaur (9 de outubro de 2015)
  • Vendido por: Amazon Servicos de Varejo do Brasil Ltda
  • Idioma: Português
  • ASIN: B016FRCBN0

O Primo Basílio é um romance de Eça de Queirós. Publicado em 1878, constitui uma análise da família burguesa urbana no século XIX.

O autor, que já criticara a província em O Crime do Padre Amaro, volta-se agora para a cidade, a fim de sondar e analisar as mesmas mazelas, desta vez na capital: para tanto, enfoca um lar burguês aparentemente feliz e perfeito, mas com bases falsas e igualmente podres. A criação dessas personagens denuncia e acentua o compromisso de O Primo Basílio com o seu tempo: a obra deve funcionar como arma de combate social. A burguesia — principal consumidora dos romances nessa época — deveria ver-se no romance e nele encontrar seus defeitos analisados objetivamente, para, assim, poder alterar seu comportamento.

As personagens de O Primo Basílio podem ser consideradas o protótipo da futilidade, da ociosidade daquela sociedade.

Luísa é uma dona de casa muito fiel e cuidadosa, que vive para a administração do lar e do conforto de seu marido Jorge. Ela passa os dias muito solitária, tendo por companhia duas empregadas, Juliana e Joana, e alguns poucos amigos que frequentam a casa. Jorge é engenheiro,  um marido muito carinhoso e dedicado, mas está sempre envolvido com seus negócios, chegando a viajar e passar muitos dias fora de cara, o que contribui para a solidão de Luísa.

Jorge viaja a trabalho e Basílio, primo e antigo namorado de Luísa que a abandonou e foi para o Brasil, retorna e passa a visitá-la todos os dias e começa a cortejá-la insistentemente, até que Luísa não mais resiste e começa a ter uma relação extra-conjugal com sua antiga paixão. Contudo, Juliana, a empregada invejosa e muito ambiciosa, furta cartas trocadas entre os amantes e começa a chantagear Luísa.

Minhas impressões

Em O primo Basílio, Eça retrata a classe média de Lisboa, apresentando a família burguesa que se arruína pelo adultério. Eça pretende combater o Romantismo, por julgar prejudicial ao desenvolvimento do país, porque corrompe a base da sociedade, que é a família tradicional.

O Romance foi muito criticado pelo nosso Machado de Assis que o considerou um plágio da história de Gustave de Flaubert, Madame Bovary. Contudo, ao contrário da heroína francesa, Luísa é tão pobre de espírito que sequer é digna de dar título ao romance português, que, ao contrário, homenageia o primo canalha. Luísa é o protótipo da esposa submissa, restrita ao lar, protegida pelo marido, que tem no homem a sua direção, que se comporta como um cachorrinho adestrado que sempre tenta agradar ao dono e manter as aparências mesmo quando apanhado.

Eu sofri muito com Luísa, com toda a sua angústia, com sua ilusão de mulher romântica; odiei Basílio, que queria apenas a emoção da aventura de uma “adulteriozinho”, “um incestozinho” para contar vantagens em meio a seus pares; tive pena e raiva de Juliana e seu azedume, e mantive uma certa compaixão por  Jorge que, apesar de sua cegueira machista, foi completamente apaixonado e zeloso por sua esposa infiel.

Sem dúvidas é uma grande obra que traz uma importante crítica  à sociedade hipócrita e fútil, com temas tão atuais mesmo após mais de um século de sua publicação, o que, sem dúvida, merece toda a nossa atenção.

Você ja leu essa obra? O que achou? Conte-me nos comentários.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s