Vestibular do CEDERJ

Oooi, gente! Tudo bem?

Sábado que vem, dia 26/11/2016, serão aplicadas as provas para o vestibular CEDERJ 2017.1, às 9h. Todas as informações para a prova estão disponíveis no endereço: http://cederj.edu.br/cederj/vestibular-cederj-2017-1/ , portanto, não vou me alongar sobre isso.

O que me motivou a escrever esse post foi ver muitas perguntas de pessoas que estão muito preocupadas com a prova, não estudaram, não tem tempo pra estudar e não tem a menor ideia do que pode cair. Se você se encontra nessa situação, este post é para você.

O primeiro conselho que eu dou para quem não estudou é: se garanta nos conhecimentos gerais. Sério, isso me salvou. Eu sou muito ligada em tudo o que está acontecendo, leio muito, principalmente literatura clássica, e tenho certeza que foi isso o que me salvou no vestibular. Eu, como muitos outros estudantes, não tive tempo para me preparar para a prova e fiz sem estudar nada, somente com o conhecimento que eu já tinha. No dia da prova eu não queria ir porque já me sentia derrotada, e meu marido me convenceu a ir pelo menos para saber como era (valeu, mozão!). Fui para a prova para fazer um teste de conhecimento, já pensando nesse vestibular de agora porque achava impossível passar naquele. Quando abri a prova, quase caí da cadeira. Eu achava que não saberia sequer as perguntas, imagine as respostas!  Mas o que aconteceu foi que a minha prova (vestibular 2016.2, veja aqui) era todinha de conhecimentos gerais. A prova de inglês foi sobre o Zica Vírus, a prova de história eu respondi lembrando de muitas histórias contextualizadas na literatura clássica que eu acompanho, a de geografia foi de conhecimentos gerais (nunca mais ignoro textão de Facebook!), para as questões de Português eu estava cursando Letras numa particular,  começando a desenferrujar, e o resto foi na base do seja o que Deus quiser.

Para falar a verdade, achei a minha prova fácil, e muitas respostas se encontravam na própria prova, em outras perguntas. A redação foi sobre um assunto que eu domino, e, assim, juntando tudo, consegui conquistar a minha vaga.

dsc_0708

Portanto, para quem está sem tempo e há muitos anos fora dos bancos escolares (eu estava há mais de 20 anos, totalmente sem esperanças), o pulo do gato é pegar todas as provas anteriores e ler com bastante atenção. Você só tem dois dias para estudar, então se concentre nos exercícios. Leia um pouquinho sobre dicas para redação, assista vídeos no Youtube, que ajuda bastante, Faça um apanhado das notícias mais importantes dos últimos seis meses e faça a prova com bastante calma, sem pressa e respondendo confiante no que você sabe. Lembre-se que, se não conseguir passar dessa vez, haverá muitas outras oportunidades. O importante, agora, é se acalmar e dar o máximo de si para tentar, ao menos, extrair uma boa experiência.

Espero de coração que esse post sirva, ao menos, para encorajar quem não está levando muita fé. Eu sei que cada um tem uma experiência com provas, eu estou apenas contando a minha, vai que ajuda!?

Um grande abraço em todos, e boa sorte! ❤

PS: para pesquisar as provas dos vestibulares anteriores, tente o site Passei Direto, ou procure no google assim: CEDERJ vestibular ano tal. Fique de olho nas reclassificações porque há muita desistência. Você pode entrar na vaga daquele que passou e tem preferência por uma presencial.

Anúncios

Planejamento de estudos na faculdade a distância

Ooi, pessoal! Tudo bem?

Tenho recebido algumas perguntas sobre planejamento de estudos na faculdade a distância e ia deixar pra contar mais quando terminasse esse primeiro período, mas resolvi mostrar logo para vocês como eu faço e o que dá certo para mim.

Não sei se já falei aqui, mas sou casada,  tenho uma filha peluda que vocês podem conhecer aqui, advogada durante a semana e fotógrafa aos finais de semana, ou seja, minha rotina é super puxada. Estou Deixando o Direito por motivo de não aguento mais, para me dedicar integralmente à fotografia e à faculdade, mas isso só deve acontecer de vez em janeiro. Portanto, até lá minha rotina continuará pesada, e eu vou mostrar agora como faço para não surtar.

O  CEDERJ disponibiliza um calendário que, se a gente seguir certinho, não tem como se enrolar. Eu confesso que me enrolei para o segundo bloco de provas, as AP2, mas segui o calendário à risca para o primeiro bloco, as AP1, e deu tudo certo, tirei ótimas notas e ainda consegui separar as últimas semanas antes das provas para revisão.

No consórcio a gente recebe duas apostilas de cada matéria que vem com as aulas, assim:

dsc_0544

E cada matéria disponibiliza um calendário para a gente seguir, assim:

calendario-academico
Calendário de Português 1

Vejam neste quadro que, para cada semana, tem uma sugestão de aulas para serem estudadas, por exemplo, na semana de 18 de julho, quando começou o calendário acadêmico do curso, o quadro sugere que estudar as aulas 1 e 2 da unidade 1, na semana do dia 25 de julho, estudar as aulas 3 e 4, e assim sucessivamente, lembrando que cada matéria tem um calendário com esse tipo de sugestão. Veja o calendário de linguística:

calendario-linguistica
Calendário acadêmico de Linguística 1

Vejam que na mesma semana do dia 18 de julho que eu tive que estudar duas aulas de português 1, também tive que estudar duas aulas de linguística 1, o mesmo com Bases da cultura ocidental e Informática, que são as matérias que estou cursando neste semestre. Eu separo, no mínimo, 2h por dia para estudar as aulas, e 1h para os textos de apoio e tem dado super certo. Portanto, não é difícil, basta se organizar certinho e seguir o cronograma. Não tem erro!

Agora vou lá estudar porque falta uma semana para as minhas provas e eu me enrolei muito nessa segunda etapa e, como não estou indo pro escritório, estou tirando o dia todo para colocar a matéria em dia. Estou sofrendo porque deixei acumular, portanto, não façam isso! rsrsrs

Se você tiver alguma dúvida, pode perguntar que farei o possível para responder.

Um grande beijo e até o próximo post.

O diploma na faculdade a distância.

Oi, pessoal! Tudo bem?

Tenho recebido algumas perguntas de pessoas interessadas no sistema de ensino a distância mas que se preocupam com o diploma no mercado de trabalho. Muita gente tem medo de não conseguir colocação profissional porque pensa que o ensino a distância ainda não é respeitado e ainda é visto com grande ressalva, até mesmo pelos estudantes. Esse pensamento equivocado ocorre, mas acredito que nós temos a grande responsabilidade de mudar essa visão.

Eu curso Letras na modalidade a distância numa faculdade pública, a UFF, mas cursei um período na Universo, que é uma Universidade particular, e o que soube, tanto na particular, quanto na federal, é que no diploma não constará nada a respeito da modalidade de ensino, ou seja, ninguém ficará sabendo que estudei EAD, a não ser que eu divulgue.

Na UFF fazemos uma carteirinha de estudante que nos garante todos os direitos que são garantidos aos alunos da presencial, e nela não vem nada escrito sobre EAD. Eu tenho acesso ao portal IDUFF e tenho até um endereço de email da UFF, onde recebo vários avisos da Universidade. Posso participar de projetos de iniciação científica, de oficinas de estudo da Universidade, bem como de qualquer projeto público, ou seja, tenho os mesmos direitos dos alunos presenciais. Estou cursando inglês online no my english online, curso de inglês online do Programa Inglês sem Fronteiras, uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), e minha inscrição foi feita com meu número de matrícula da UFF e meu CPF.

Vou poder mostrar para vocês, no próximo dia 31 de outubro, que participarei de uma oficina de Linguística e Línguas Indígenas no campus da UFF no Gragoatá, em Niterói. Mesmo estudando a distância, e sendo meu Pólo em Nova Iguaçu, pelo consórcio CEDERJ, posso fazer qualquer curso presencial disponibilizado na UFF. Legal, né?

Vejam que na minha declaração de inscrição não vem nada referente a EAD (omiti meu sobrenome completo e número de matrícula por medida de segurança para manter o sigilo dos meus dados cadastrais):

declaracao-blog

Como vocês podem ver, não há qualquer indicação ou tratamento diferenciado aos alunos do curso a distância. Para ser muito sincera eu tenho o maior orgulho de estudar a distância e faço questão de mostrar às pessoas as vantagens de fazer EAD. Acho o curso muito mais puxado, confortável e com uma qualidade espetacular. Não tenho nenhum problema em dizer que sou aluna do curso a distância e faço o possível para ajudar a levantar a autoestima dos futuros profissionais que se formarão como eu.

Os conselhos que eu deixo aqui é que você procure uma instituição confiável, que te deixe seguro do que está fazendo e que te garanta uma boa formação, que você busque o conhecimento com todo afinco, e se dedique muito ao que você pretende fazer. Estudar sozinho não é moleza como podem pensar alguns, não existe a facilidade de todos os dias encontrar colegas e professores que falem e respirem os assuntos ligados às matérias, essa dedicação você vai ter que procurar sozinho. Por isso eu criei esse espaço e tenho a minha página no facebook e o meu instagram, para interagir com outros alunos e me sentir participante do mundo acadêmico. Isso me dá força para prosseguir e funciona como um “pátio de universidade”, onde nos encontramos para trocar ideias acerca do curso.

Nos próximos posts darei dicas de estudo solitário, e como eu faço para me sentir mais presente no universo acadêmico.

Espero que esse post tenha sido útil. Se você tiver qualquer dúvida ou sugestão, deixe nos comentários ou entre em contato comigo por email, ou através das redes sociais.

Um grande beijo e até a próxima.

UPDATE: Fui informada que no verso do diploma consta um carimbo indicativo de curso EAD, conforme foto abaixo, extraída de um grupo no facebook, que foi postada por uma aluna do curso de Pedagogia da UERJ. Como eu ainda não tenho o meu diploma, não posso atestar como ficará o da UFF, mas acredito que seja parecido, o que me deixa cheia de orgulho!

13087891_1018456624898166_134309839413475053_n
foto extraída da internet

Voltei com novidades!

Olá, pessoa! Tudo bem?

Estou muito sumida, não é mesmo? Eu sei, eu sei… mas foi por uma boa causa!

No dia 04 de junho prestei o vestibular do CEDERJ para o curso de Letras da UFF na modalidade a distância. Eu não sabia do que se tratava esse consórcio, foi o meu marido quem me apresentou e me incentivou a tentar o vestibular. Confesso que fiz a prova sem acreditar que era possível, pois estava há mais de vinte anos longe dos bancos escolares, e passar foi uma grata surpresa para mim.

Então essa é a grande novidade para quem já me acompanha há algum tempo: agora  eu curso uma Universidade Federal e estou muito feliz!

As aulas começaram no dia 16.07.2016 e fui bombardeada com muitas informações. O método de estudo é semelhante ao da Universo, mas a quantidade de matéria é absurdamente mais extensa. Para cada matéria temos duas apostilas enormes de quase trezentas páginas, e muitos textos de apoio. Não temos muitas aulas em vídeos, apenas algumas matérias os disponibilizam, e existem as tutorias presenciais que ocorrem no Pólo, sendo que o meu fica em Nova Iguaçu porque era o local mais próximo de Niterói (que abriu vaga), então será muito difícil ir nas tutorias presenciais.

Eu já tranquei a matrícula na Universo e já pedi meu histórico escolar com a ementa das disciplinas para pedir dispensa das matérias que já cursei, pois serão disciplinas cursadas no 4º e 5º períodos. Como s]ao disciplinas mais voltadas para Educação, não vejo problema em aproveitar o que aprendi na outra faculdade e “perder” a oportunidade de estudar de novo.

Neste primeiro período temos apenas quatro matérias e não podemos “puxar” outras. No início eu não gostei muito da ideia mas agora vejo o quanto isso é importante pois o volume de matérias na UFF é absurdo, e tem um ritmo muito diferente, sendo necessário começar devagar para acostumar.

Primeiro período de Letras da UFF 2016.2.

  • Bases da cultura ocidental (BCO)
  • Português 1
  • Linguística 1
  • Informática

Para informática temos 10 aulas presenciais, devendo comparecer a pelo menos 50% delas, que são obrigatórias. Mas podemos fazer um teste de proficiência para pedir dispensa das aulas, e eu logo agendarei o meu. É uma matéria que serve, basicamente, para ensinar a mexer no sistema.

Em BCO veremos toda a cultura Greco-Romana e Judaico-Cristã, o que significa que vou passar pelas obras de Homero e Virgílio, e estudarei bastante sobre a Idade Média. Como não amar? Já estou apaixonada!

Por conta dessa reviravolta na minha vida, precisei mexer nos meus projetos literários. Atualmente estou lendo A Montanha Mágica, do Thomas Mann e A Viagem, da Virgínia Woolf, mas vou desacelerar o ritmo para focar mais nas leituras da faculdade porque separei alguns livros da bibliografia básica do curso e outros da minha escolha para servirem de apoio aos meus estudos.

Livros de apoio da bibliografia do curso:

ilíada
Ilíada, de Homero, história estudada em BCO.
odisseia
Odisseia, de Homero. História estudada em BCO.
eneida
Eneida, de Virgílio. História estudada em BCO.
Como_a_Igreja_Ca_4b8d5201b1932
Livro indicado na bibliografia básica de BCO.
o outono da idade média
Livro que comprei e não vejo melhor oportunidade para começar a ler.
gramatica
Gramática indicada na bibliografia básica de Português 1.
textos-basicos-de-linguagem---de-platao-a-foucault
Livro indicado na Bibliografia básica de Linguística.
saussure
Livro indicado na bibliografia básica de Linguística 1.

Ainda falta organizar essas leituras e conjugá-las com o planejamento de estudo semanal pois eu realmente quero dar tudo de mim nesse curso porque foi uma escolha pessoal, feita com muita paixão. Em outros posts falarei mais sobre métodos de estudos e como tem sido minha adaptação nessa nova realidade numa Universidade Federal.

Quem tiver alguma dúvida e quiser perguntar algo sobre o consórcio CEDERJ, fique à vontade.

Até mais, pessoal.

 

O diário de Anne Frank

6554336_1GGO diário de Anne Frank é considerado, por muitos, um dos maiores livros de não ficção do mundo. O livro é um diário editado que a Anne começou a escrever com 13 anos de idade, quando ganhou o diário de presente de aniversário em 12.06.1942. Ela estava escrevendo para si mesma e não tinha grandes preocupações, a não ser desabafar e registrar seu cotidiano. Contudo, em 29.03.1944, ela ouviu na rádio que uma pessoa do governo holandês vai coletar os escritos e memórias das pessoas que viveram na época da guerra.

Autor(a) Anne Frank
Título O Diário de Anne Frank
ISBN 8577990001
Páginas 378
Mais Informações Edição de Bolso
Edição
Tipo de capa Brochura
Editora BestBolso
Ano 2007

Assim, Anne, que tinha o sonho de ser uma grande jornalista ou escritora de sucesso, começa a reler o diário e fazer alguns cortes e edições. Então ela mesma fez algumas edições, mas mesmo assim o diário é interessante porque não apenas conta a vida de uma adolescente judia da época da guerra, mas também nos mostra detalhes de tudo o que os judeus sofreram e do que não podiam fazer, como, por exemplo, andar de bicicleta.

1594069-1658-atm14
manuscritos do diário

Versão A: primeiro diário sem cortes, foi publicado em 1989 como The Diary of Anne Frank: The Critical Edition.

A Versão B é a versão editada pela própria Anne.

A Versão C é o diário editado pelo pai da Anne, Otto Frank, que faz alguns cortes no que diz a sexualidade da Anne e do relacionamento difícil com a mãe. Otto Frank selecionou material da versão A e da versão B e os organizou numa versão mais concisa, o que conhecemos hoje como O diário de Anne Frank.

É importante ressaltar que a autenticidade do diário foi atestada pelo Instituto Nacional de Guerra da Holanda, que examinou manuscritos e fez a perícia grafotécnica da caligrafia da Anne.

A versão integral de Mirjam Pressler foi aprovada pela Fundação Anne Frank e contém 30% a mais de material para dar ao leitor uma melhor impressão dobre o mundo de Anne Frank.

Na introdução do livro que eu li, traz o texto original, os cortes e o crivo do pai. Todas as versões, na verdade, passaram pelo pai, então todas foram editadas.

É um diário de verdade, escrito por uma menina judia de origem alemã, que fugiu com sua família, pai, mãe e irmã, para a Holanda quando Hitler baixou varias leis antissemitas.

the-frank-familymargot-otto-anne-and-edith-frank-on-merwedeplein-in-amsterdam-1941
Da esquerda para a direita: Edith (mãe), Margot (irmã), Anne e Otto (pai).

 

Infelizmente a perseguição chegou, também, à Holanda, então a família se escondeu num lugar que alguns chamam de sótão, com alguns amigos (na versão B ela mudou o nome das pessoas para preservá-las).

anne 3
Os oito ocupantes do anexo e seus benfeitores

Eles se esconderam num anexo abandonado de um prédio comercial durante dois anos com ajuda de algumas pessoas que trabalhavam nesse prédio. A entrada pro anexo era escondida por uma estante.

AFS_MA_Achterhuis-crop
Fachada do prédio onde ficava o esconderijo

Essas pessoas que ajudaram também se arriscaram porque era crime esconder os judeus.

Esconderijo-Anne-Frank-Amsterdam
Passagem coberta por uma estante, que dava para o anexo secreto

Foram dois anos sussurrando para ninguém os ouvir, sem quase ver a luz do sol e sem por os pés na rua. E foi durante esses dois anos que a Anne Frank manteve esse diário.

3710_fullimage_amsterdam anne frank  huis portret.jpg_560x350
Anne Frank

 

Minhas impressões

No começo eu achei um livro bobo, e a Anne chega a dar a impressão de que é prepotente, que se acha. Com o passar das páginas a Anne vai nos conquistando e passamos a torcer muito por ela.

A Anne era uma adolescente com todos os problemas da adolescência e, ainda, com o problema de estar se escondendo da guerra. Então ela variava de humor, tinha crises com as pessoas, sofria medos, pesadelos, esperança, paixões, e às vezes era muito contraditória, o que fica muito marcante nos textos. Então, no início do diário ela é uma, e com o passar do tempo percebemos as mudanças da Anne, que atinge grau elevado de maturidade.

O que mais me chamou a atenção foi o fato de que ela tinha muita esperança de sair do sótão e voltar a viver normalmente. Na verdade ela não tinha esperança, ela tinha certeza absoluta que isso ia acontecer, e chegava a fazer muitos planos. Ela atingiu tanta maturidade e tinha tanto otimismo que isso é o ponto central e mais marcante de toda a sua trajetória. Acredito que esse livro desperte sensações diferentes em cada pessoa, principalmente quanto a faixa etária, pois as impressões que os adolescentes terão não serão as mesmas que um jovem ou que uma pessoa mais madura, como eu, terá.

Esse foi o primeiro livro que li neste ano e posso afirmar, com absoluta certeza, que inaugurei meu ano literário com o pé direito.

Se você já leu esse livro, deixe suas impressões nos comentários! Vou adorar saber o que você achou. E se você ainda não leu, me diga se esse post te despertou a curiosidade, assim você me ajuda a selecionar melhor a minha linguagem para as resenhas.

Até a próxima postagem!